Autonomia no aprendizado

Professoras estimulam independência e parceria das crianças no processo de alfabetização


     

Letra A ‚ÄĘ Ter√ßa-feira, 22 de Dezembro de 2015, 16:27:00

Por T√ļlio Lopes de Melo

Valendo-se do alfabeto na parede como aux√≠lio, √āngela Barbosa e Rosiane Fagundes, professoras da Escola Municipal Terezinha N√≠via de Oliveira Lopes, em Ipatinga (MG), criaram uma aula pr√°tica diferente. Elas montaram grupos de quatro integrantes e distribu√≠ram 24 palavras do jogo ‚ÄúMeu ditado‚ÄĚ. Os alunos deveriam colocar em ordem alfab√©tica, realizar a classifica√ß√£o sil√°bica e soletrar as palavras.

A ideia n√£o era apenas coloc√°-los em grupo para que interagissem, mas ‚Äújuntar os com mais facilidade a outros com maior dificuldade‚ÄĚ, relata a professora √āngela, que, com essa a√ß√£o, pretendia que todos que realizassem a atividade sa√≠ssem aprendendo. Dessa forma, com integrantes em n√≠veis diferentes de aquisi√ß√£o da escrita, o processo de alfabetiza√ß√£o no grupo seria mais efetivo, mediante as dificuldades que fossem aparecendo. Al√©m da uni√£o para a resolu√ß√£o dos problemas, as professoras tinham uma estrat√©gia principal: fortalecer a independ√™ncia dos alunos no aprendizado: ‚ÄúEles estavam em grupo, tinham o aux√≠lio do alfabeto, fixado na parede, ent√£o tiveram que organizar essa estrat√©gia e realizar esses exerc√≠cios de forma mais independente‚ÄĚ, destaca a alfabetizadora.

Conforme relatado pela professora, um de seus alunos, que tinha muita dificuldade, descobriu com a atividade a pr√≥pria capacidade de decodificar palavras. Segundo √āngela, o aluno dizia que n√£o sabia ler, mas soletrou para o colega a palavra ‚Äúbon√©‚ÄĚ. ‚ÄúO pr√≥prio colega veio me contar, e falou para ele: ‚ÄėComo que voc√™ n√£o l√™ se voc√™ soletrou a palavra certinho?‚Äô‚ÄĚ