Dicionário da Alfabetização: Tópico textual

Por Maria Gorete Neto ‚Äď Professora da Faculdade de Educa√ß√£o da UFMG, doutora em Lingu√≠stica Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas


     

Letra A ‚ÄĘ Sexta-feira, 15 de Maio de 2015, 15:47:00

Estudos no campo da Lingu√≠stica Textual (Koch et al, 1990; Marcuschi & Koch, 1998; Jubran et al, 2006) indicam que textos orais e escritos organizam-se em torno de um t√≥pico, assunto abordado em determinado texto, que, por sua vez, identifica-se com a quest√£o de interesse imediato dos usu√°rios da l√≠ngua. Atrav√©s dele √© poss√≠vel depreender o conte√ļdo e a perspectiva adotada em um texto.

O t√≥pico tomado como base textual-discursiva relaciona-se ao plano global de organiza√ß√£o de um texto. √Č tamb√©m uma categoria resultante da intera√ß√£o entre interlocutores. A condu√ß√£o do t√≥pico envolve uma complexidade de fatores contextuais, como: as circunst√Ęncias em que ocorre a intera√ß√£o (se face a face ou √† dist√Ęncia), quem s√£o os interagentes/interlocutores e a posi√ß√£o de onde falam, os conhecimentos compartilhados entre os interagentes, o que cada um sabe do assunto tratado. Esses, dentre outros aspectos, determinam o t√≥pico, bem como as escolhas e as estrat√©gias lingu√≠sticas dos interlocutores.

Uma propriedade do t√≥pico √© a centra√ß√£o, associada ao uso de recursos coesivos no processo de sequencia√ß√£o e referencia√ß√£o, que unificam o texto em torno de um mesmo referencial. Outra propriedade √© a organicidade ‚Äď articula√ß√£o entre t√≥picos e subt√≥picos - que garante a coer√™ncia do texto. Tal articula√ß√£o associa-se √† continuidade do t√≥pico, ou seja, ao esgotar-se o assunto antes de passar a outro t√≥pico; ou √† sua descontinuidade marcada pelo corte ou ruptura do t√≥pico. Logo, o conhecimento sobre o t√≥pico e suas propriedades pode capacitar os usu√°rios da l√≠ngua para a produ√ß√£o de textos coesos e coerentes.