Educar para o consumo

Como a educa√ß√£o financeira e o letramento em marketing podem contribuir para a forma√ß√£o das novas gera√ß√Ķes


     

Letra A ‚ÄĘ Quarta-feira, 27 de Julho de 2016, 09:54:00

 

Por Gabriel Rodrigues

Se algu√©m disser a uma crian√ßa para escolher entre uma nota de dez reais e tr√™s notas de dois, √© bem prov√°vel que ela prefira a segunda op√ß√£o. Um caminho para ajud√°-la a adequar esse c√°lculo est√° na educa√ß√£o financeira, que envolve muito mais do que ensinar a cuidar das finan√ßas pessoais: ‚ÄúExistem muito mais coisas relacionadas ao dinheiro do que a pessoa se preocupar simplesmente com o modo como ela o gerencia‚ÄĚ, diz o professor Amarildo Melchiades, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), que completa: ‚ÄúPor exemplo, formar as crian√ßas para discutir √©tica, rela√ß√Ķes de trabalho...‚ÄĚ.

A partir dessas no√ß√Ķes, o N√ļcleo de Investiga√ß√£o, Divulga√ß√£o e Estudos em Educa√ß√£o Matem√°tica da UFJF, liderado por Amarildo, desenvolve com alunos do Ensino Fundamental a reflex√£o sobre educa√ß√£o financeira. Nos anos iniciais, os trabalhos envolvem, por exemplo, discutir e adaptar f√°bulas como a da Cigarra e a Formiga. ‚ÄúA educa√ß√£o financeira possibilita ao aluno ter conhecimento e poder ajudar os pais no planejamento financeiro, no or√ßamento da fam√≠lia. A gera√ß√£o passada n√£o teve essa forma√ß√£o‚ÄĚ, afirma Amarildo.

Exemplos para desenvolver aulas sobre educa√ß√£o financeira que cativem os alunos t√™m ganhado visibilidade. O Programa Educa√ß√£o Financeira nas Escolas √© parte da Estrat√©gia Nacional de Educa√ß√£o Financeira (ENEF), que foi institu√≠da em 2010. Em 2014, o Programa lan√ßou uma s√©rie de livros que orientam professores e alunos do 1¬ļ ao 9¬ļ ano do Ensino Fundamental. Cada livro corresponde a um ano e apresenta conceitos e atividades que atendem ao desenvolvimento de cada etapa do Ensino Fundamental (ver Saiba Mais).

Um dos nortes do Educa√ß√£o Financeira nas Escolas √© a ‚Äúreliga√ß√£o dos saberes‚ÄĚ, ou seja, a conflu√™ncia de conhecimentos de Portugu√™s, Matem√°tica, Hist√≥ria e todas as outras disciplinas. Todas as √°reas est√£o presentes nos livros para ajudar a compreender conceitos, como o de cidadania, e a desenvolver compet√™ncias ‚Äď por exemplo, distinguir desejos e necessidades de consumo no contexto familiar. A interdisciplinaridade do campo da educa√ß√£o financeira √© destacada por Amarildo Melchiades, mas ele tamb√©m reconhece a centralidade dos conhecimentos matem√°ticos nesse trabalho. ‚ÄúUm caminho √© que todas as disciplinas discutam em algum momento esse tema. Em particular, a Matem√°tica tem uma import√Ęncia vital, porque ela permite que o aluno, ao refletir sobre educa√ß√£o financeira, possa fazer contas, possa operar com dinheiro‚ÄĚ, ressalta.

 

Ler e agir no mundo

Mas, se n√£o basta saber fazer contas para agir numa sociedade baseada no consumo, o que mais pode ajudar? O pesquisador J√īnio Beth√īnico, que desenvolveu tese de doutorado em Educa√ß√£o na UFMG sobre ‚Äúletramento em marketing‚ÄĚ, defende a import√Ęncia desse processo no Ensino Fundamental. O termo, esclarece o pesquisador, ‚Äúrefere-se √† capacidade de lidar criticamente com os discursos de car√°ter publicit√°rio, considerando toda a multiplicidade de mensagens: dos an√ļncios, dos comerciais de TV e das embalagens aos patroc√≠nios esportivos e culturais, merchandisings em blogs, vitrines, entre outros tantos‚ÄĚ. A reflex√£o cr√≠tica sobre o marketing, portanto, √© essencial para desviar o cidad√£o de um consumismo que leve ao endividamento e n√£o seja sustent√°vel ‚Äď afinal de contas, tudo o que consumimos gera impactos no planeta.

Em entrevistas realizadas com professores de Ensino Fundamental em Belo Horizonte, J√īnio percebeu que a maioria deles abordava a publicidade em sala de aula. Neste trabalho, prop√Ķe o pesquisador, √© interessante ampliar o tema e explor√°-lo al√©m de suas caracter√≠sticas como g√™nero textual, aliando-o a uma reflex√£o sobre o consumo. Assim, ele assinala que ‚Äúse abre caminho para abordar a cultura do consumo por tr√°s das campanhas, das marcas e das mercadorias: a obsolesc√™ncia programada, a fugacidade da moda, o consumismo, os motivadores individuais e sociais das compras etc.‚ÄĚ.

A no√ß√£o de ‚Äúletramento em marketing‚ÄĚ, embora n√£o figure sob a mesma nomenclatura, tamb√©m tem vez no material do Programa Educa√ß√£o Financeira nas Escolas. Colocar-se criticamente frente √† publicidade √© uma das capacidades que o programa pretende estimular nos estudantes. J√īnio Beth√īnico defende que o letramento em marketing caminha junto a um trabalho mais amplo de educa√ß√£o para o consumo: ‚ÄúAmbos t√™m o mesmo objetivo: reequilibrar as rela√ß√Ķes de consumo por meio da capacita√ß√£o cr√≠tica dos sujeitos, a fim de fazer dos atos de compra algo sustent√°vel e ben√©fico para si mesmo, para sua fam√≠lia, para o meio ambiente‚ÄĚ, ressalta.

 

SAIBA MAIS

Educação Financeira nas Escolas

No volume do Programa voltado ao 1¬ļ ano, algo aparentemente simples ‚Äď a batata ‚Äď √© o mote para desenvolver v√°rios conceitos sobre consumo, mostrando a rela√ß√£o da educa√ß√£o financeira com o cotidiano. Conforme os anos avan√ßam, os textos ficam maiores e os conceitos, mais amplos. No volume 4, por exemplo, o aluno √© convidado a refletir sobre os gastos de uma fam√≠lia fict√≠cia e a saber como funciona uma cidade.

Material está disponível gratuitamente em:  www.edufinanceiranaescola.gov.br/ensino-fundamental

Atividades de letramento em marketing

O projeto Redigir, da Faculdade de Letras da UFMG, cria atividades para serem utilizadas pelos professores em sala de aula, visando trabalhar habilidades de leitura, produção de textos e reflexão linguística. No eixo Letramento em Marketing, há uma série de atividades, como marketing em embalagens, marketing e Jornalismo Empresarial e marketing e Blogs/Vlogs.

Acesse em: sites.google.com/site/redigirufmg/atividades/letramento-em-marketing