Modos de contar

A escrita articulada a sons, cores, imagens, anima√ß√Ķes e outros recursos multimodais na literatura infantil


     

Letra A ‚ÄĘ Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2016, 16:06:00

Por Poliana Moreira

Na segunda metade do s√©culo 19, ainda n√£o se falava no termo multimodalidade, mas os poemas visuais do franc√™s St√©phane Mallarm√© s√£o um exemplo de como essa caracter√≠stica j√° estava presente na literatura. ‚ÄúEle cria um poema em que voc√™ precisa ler duas p√°ginas ao mesmo tempo. √Č um modo diferente de ler: voc√™ come√ßa a ter uma quebra de um modo linear de leitura, de uma palavra depois da outra‚ÄĚ, explica a professora da Faculdade de Educa√ß√£o da UFMG Celia Abicalil, pesquisadora do Ceale. Devido a desenvolvimentos tecnol√≥gicos e novas pr√°ticas sociais relacionadas ao livro, hoje a literatura infantil √© um importante campo para se pensar a multimodalidade. Junto √† explora√ß√£o do espa√ßo da p√°gina, som, imagem e cores s√£o outros dos modos semi√≥ticos (modos de produzir sentidos) que s√£o combinados √† escrita nos textos multimodais.

‚ÄúDe forma simplificada, eu diria que a multimodalidade √© uma abordagem interdisciplinar que concebe a intera√ß√£o humana como constitu√≠da por v√°rios modos e n√£o apenas pela l√≠ngua‚ÄĚ, explica √āngela Dion√≠sio, professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que lembra ainda que ‚Äúo tra√ßo multimodal dos textos n√£o √© atributo da contemporaneidade‚ÄĚ ‚Äď as iluminuras medievais s√£o o exemplo mais lembrado disso.

O livro em novos formatos e fun√ß√Ķes

Os avan√ßos tecnol√≥gicos do s√©culo 19 colaboraram para a presen√ßa maior de elementos multimodais nos livros. ‚ÄúAs f√°bricas come√ßaram a produzir edi√ß√Ķes impressas com um n√ļmero maior de cores e com desenhos mais pr√≥ximos dos feitos pelos ilustradores‚ÄĚ, explica Danielle Cristina Mendes, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). No s√©culo 20, acrescenta Daniela, ‚Äúessa rela√ß√£o vai se intensificar‚ÄĚ. ‚ÄúCome√ßam a surgir livros nos quais o texto [verbal] vai ser complementado e algumas vezes suplementado pela imagem.‚ÄĚ

Nessa virada de s√©culo, os livros voltados para crian√ßas passam a ganhar novas fun√ß√Ķes e tamb√©m novos formatos. ‚ÄúEsse livro deixa de ter predominantemente uma fun√ß√£o pedag√≥gica e passa a ser visto como objeto est√©tico‚ÄĚ, destaca Danielle. Os efeitos disso passam a ser notados na materialidade do livro. Segundo Celia Abicalil, o livro ilustrado, que trabalha com linguagem verbal e visual, √© um exemplo de trabalho com a multimodalidade, que come√ßou a influenciar outros tipos de obra. ‚ÄúCom o grande salto que os livros ilustrados deram na produ√ß√£o contempor√Ęnea, eles come√ßam a interferir e a influenciar os livros para jovens e at√© livros para adultos‚ÄĚ, conta a pesquisadora.

 

 

Além das páginas

Os multimodos da literatura v√£o al√©m do impresso. ‚ÄúA literatura oral existe em um contexto multimodal, no qual os gestos, a voz, as modula√ß√Ķes e o tempo da voz s√£o usadas como forma de significa√ß√£o que v√£o al√©m de um √ļnico modo de representa√ß√£o‚ÄĚ, pontua Giselly Lima, professora da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Nesse contexto sonoro, a multimodalidade se faz presente de diversas formas. ‚ÄúTemos a m√ļsica, as palmas, temos a ideia da literatura oral, temos o ritmo, a repeti√ß√£o, os textos acumulativos: isso tudo vai fazer com que voc√™ pense no texto verbal mais oral, mais o ritmo, mais a m√ļsica...‚ÄĚ, afirma Celia Abicalil.

Com a internet e os recursos do mundo digital, a multimodalidade na literatura infantil ganha novos desenvolvimentos. ‚ÄúO fato de vivermos em um mundo multimodal e hipermidi√°tico faz com que comecem a ser criados livros que apresentam links para que as crian√ßas acessem a complementa√ß√£o dos livros e outras brincadeiras‚ÄĚ, conta Danielle. Essa revolu√ß√£o causada pelo mundo digital j√° alcan√ßou at√© os cl√°ssicos da literatura infantil. ‚ÄúFlicts, de Ziraldo, que foi lan√ßado em 1969, em impresso, foi lan√ßado em 2015 como aplicativo. O autor e a editora entenderam o impacto e a quantidade de leitores que usam a literatura digital‚ÄĚ, pontua Giselly.