O que agita o corpo na escola?

Ceale Debate de junho discutiu motivos e formas de lidar com a agitação das crianças


     

Acontece ‚ÄĘ Ter√ßa-feira, 02 de Julho de 2013, 14:41:00

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Ceale Debate do m√™s de junho teve a participa√ß√£o da psicanalista Ana Lydia Bezerra Santiago, professora do Programa de P√≥s-Gradua√ß√£o em Educa√ß√£o: Conhecimento e Inclus√£o social da Faculdade de Educa√ß√£o da UFMG. Ana Lydia quetionou: ‚ÄúO que agita o corpo na escola?‚ÄĚ. A partir desse tema, foram apresentados diversos pontos relacionados com a maneira como as crian√ßas manifestam conflitos e problemas pessoais atrav√©s do corpo.

A escola √© o primeiro ambiente de socializa√ß√£o que as crian√ßas frequentam fora do c√≠rculo familiar. A forma como uma crian√ßa fala, se veste e se comporta s√≥ se destaca quando ela chega √† escola. L√°, ela precisa competir por espa√ßo e vivenciar novas tens√Ķes sociais. √Č nesse contexto que o corpo agitado expressa algo que n√£o vai bem, manifesta-se de forma bruta. A escola precisa interpretar o que isso significa.

Para Ana Lydia, h√° quatro respostas para a pergunta ‚ÄúO que agita o corpo na escola?‚ÄĚ: a escola, a fam√≠lia, a sexualidade e a ang√ļstia. Muitas vezes, os professores atribuem o comportamento agitado da crian√ßa √† fam√≠lia, j√° que os alunos voltam muito mais inquietos depois do fim de semana. Mas de acordo com a psicanalista, muitas vezes a causa da agita√ß√£o √© a pr√≥pria escola, j√° que √© ali que a crian√ßa precisa disputar por espa√ßo e aten√ß√£o, uma vez que em casa o seu lugar j√° est√° garantido. Al√©m disso, h√° a tens√£o no contato com as outras crian√ßas.

Os sintomas que se manifestam na escola precisam ser interpretados, e √© preciso saber onde e como trat√°-los. √Č necess√°rio compreender o que o sintoma representa com a ajuda de um psicanalista, sem tirar conclus√Ķes imediatas. Interpretar um corpo agitado, para Ana, √© a tarefa mais complexa da escola, j√° que depende intrinsecamente da forma√ß√£o do educador, que muda de acordo com a √©poca. Atualmente, por exemplo, crian√ßas agitadas s√£o frequentemente diagnosticadas como portadoras de transtorno de d√©ficit de aten√ß√£o.

Para ilustrar essas agita√ß√Ķes, Ana Lydia apresentou alguns casos, como o de Luciana*. Com cinco anos, ela √© uma garota muito inteligente, mas extremamente agitada. Ela √© ansiosa, brava, tem dificuldades para dormir e tem muitas ‚Äúfantasias‚ÄĚ. Essas fantasias s√£o preocupa√ß√Ķes da garota. Quando est√° comendo, por exemplo, e coloca a colher em cima da mesa, ela logo acha que a colher est√° suja e que vai pegar doen√ßas se coloc√°-la na boca. Ana Lydia relata que conversar com Luciana sobre o assunto possibilitou que a menina dormisse mais facilmente. Por meio desse e de outros exemplos, Ana Lydia mostrou como o que agita o corpo na escola deve ser analisado caso a caso.

O Ceale Debate √© um evento mensal que envolve pesquisadores e professores em discuss√Ķes tem√°ticas sobre o ensino e o aprendizado da leitura e da escrita. As palestras acontecem na Faculdade de Educa√ß√£o da UFMG e a entrada √© gratuita, mediante inscri√ß√£o pelo e-mail cealedebate2013@gmail.com.

 

* Nome fictício