Um pé na aldeia e outro no mundo


     

Letra A ‚ÄĘ Quarta-feira, 09 de Dezembro de 2015, 19:51:00

Um olhar de dentro e outro para fora

‚ÄúSe eu pensar sobre o vento, eu vou falar sobre o vento. Se eu pensar sobre as √°rvores, eu vou falar sobre as √°rvores.‚ÄĚ A professora Ducilene Ara√ļjo, do povo Xacriab√°, se refere aos contos, poemas e cantos que tanto gosta de escrever e que, √†s vezes, compartilha com os alunos. A necessidade de utilizar em aula textos de sua autoria vem de uma das principais car√™ncias das escolas ind√≠genas brasileiras: a falta de materiais did√°ticos adequados √†s realidades dos diferentes povos e comunidades. Ducilene faz parte do Saberes Ind√≠genas, programa do governo federal que parte da autoria dos professores ind√≠genas para a produ√ß√£o de materiais educacionais.

Seu grupo no programa trabalhou a partir de uma planta√ß√£o de horta feita na escola no ano anterior. Para transformar a experi√™ncia em conte√ļdos did√°ticos, eles recorreram a fotografias, relatos escritos e entrevistas, sempre buscando o equil√≠brio entre o olhar de dentro e outro para fora. ‚ÄúA gente precisa preparar o aluno para ficar aqui na aldeia e para enfrentar o mundo l√° fora, at√© mesmo morar e trabalhar na cidade.‚ÄĚ No material criado a partir da horta, foi poss√≠vel, por exemplo, falar sobre os rem√©dios fabricados pelos parentes e, ao mesmo tempo, trazer informa√ß√Ķes sobre os agrot√≥xicos t√£o comuns nas planta√ß√Ķes fora da aldeia. Dentre os materiais produzidos nas aldeias Xacriab√° que mais agradaram na escola, Ducilene se lembra do livro das hist√≥rias dos mais velhos. ‚ÄúOs alunos falam: ‚ÄėAh, eu vou ler essa hist√≥ria porque foi meu av√ī que fez‚Äô.‚ÄĚ

Atualmente Ducilene leciona nos anos finais do Ensino Fundamental, mas atuou a maior parte de sua trajet√≥ria na Educa√ß√£o Infantil e na alfabetiza√ß√£o. Era principalmente nessas turmas que fazia das m√ļsicas de sua autoria um rico material de ensino. Foi assim que ela criou seu alfabeto cantado, ‚Äúpara o aluno enxergar o alfabeto a partir das pessoas e das coisas‚ÄĚ. Toda a letra traz elementos familiares para as crian√ßas das aldeias Xacriab√°, como no trecho: ‚ÄúParecia a letra T o rodo que comprei / Parecia a letra C a foice que amolei / Olhei para o c√©u, l√° em cima vi o sol / Quem inventou a letra J j√° conhecia o anzol‚ÄĚ. (Escute o a√ļdio completo do alfabeto cantado por Ducilene)

Uma virada muito r√°pida

A trajet√≥ria de Jos√© dos Reis como educador se entrela√ßa com a hist√≥ria da educa√ß√£o escolar ind√≠gena em sua comunidade. Sua carreira na educa√ß√£o come√ßou em 1997, dois anos depois de terem in√≠cio as discuss√Ķes sobre a implanta√ß√£o das escolas nas aldeias Xacriab√°. Ele fez parte da primeira turma de professores de seu povo, que come√ßou sua forma√ß√£o em um curso realizado no Parque Estadual do Rio Doce. Atualmente, Jos√© dos Reis √© vice-diretor da Escola Ind√≠gena Bukimuju, onde os irm√£os Deda e Ducilene s√£o professores. Ele conta que, antes das escolas ind√≠genas, os √≠ndices de alfabetiza√ß√£o eram muito baixos, o que dificultava a composi√ß√£o dos quadros docentes. ‚ÄúUm exemplo muito forte √© a aldeia Catimbinha. L√° n√£o tinha ningu√©m que sabia ler e escrever. Ent√£o ia o pessoal do Barreiro Preto, at√© conseguir ter uma pessoa para assumir esse papel de professor dentro da comunidade.‚ÄĚ

Nas aldeias, o papel do professor vai muito al√©m das atividades pedag√≥gicas: passa pela ‚Äúresponsabilidade de pensar em um projeto para a comunidade‚ÄĚ, afirma Jos√©. Os professores t√™m um status de lideran√ßa diferente das tradicionais, que adv√©m do dom√≠nio da escrita. Antes da escola ind√≠gena, Jos√© relata que ‚Äúas pessoas discutiam mais internamente, mas n√£o tinham muita for√ßa de levar as discuss√Ķes para fora‚ÄĚ. Foi poss√≠vel observar ‚Äúuma virada muito r√°pida do n√ļmero de alfabetizados‚ÄĚ aliada ao fortalecimento da luta por direitos, o que est√° relacionado a um encadeamento de fatores: a abertura das escolas demandou mais professores ind√≠genas, o que levou √† cria√ß√£o de cursos superiores espec√≠ficos para sua forma√ß√£o. A discuss√£o pol√≠tica se fortaleceu nas universidades, paralelamente ao maior engajamento tamb√©m com a pol√≠tica partid√°ria. Um dos resultados est√° na hist√≥ria recente de S√£o Jo√£o das Miss√Ķes, munic√≠pio mineiro onde fica o territ√≥rio Xacriab√°: o atual prefeito e seu antecessor, que cumpriu dois mandatos seguidos, s√£o ex-diretores de escolas ind√≠genas.

CONTINUE LENDO

Um pé na aldeia e outro no mundo - parte 1

Um pé na aldeia e outro no mundo - parte 3

Um pé na aldeia e outro no mundo - parte 4

Um pé na aldeia e outro no mundo - parte 5