Retrospectiva: √Č preciso conhecer e estar segura dos m√©todos utilizados


     

Letra A ‚ÄĘ Segunda-feira, 11 de Maio de 2015, 17:13:00

A professora da Escola Municipal Monteiro Lobato, em Jo√£o Monlevade (MG), Rita de C√°ssia dos Reis, considera que o melhor √© usar diferentes m√©todos, em diferentes momentos, de acordo com a habilidade que se quer desenvolver, com o tipo de aluno com que se est√° lidando e com as dificuldades de cada um deles. Rita conta que, em sua turma do 3¬ļ ano do 1¬ļ ciclo (a antiga 2¬™ s√©rie), algumas crian√ßas est√£o lendo com flu√™ncia e outras est√£o mais no in√≠cio do aprendizado da leitura. Para os dois tipos de aluno, ela usa estrat√©gias diferentes. A professora diz ter percebido que, para crian√ßas com dificuldades de aprendizagem e que tiveram pouco contato com materiais escritos antes de entrar na escola, √© necess√°rio evitar algumas barreiras que possam desanimar o aluno. Por isso, com esses, Rita de C√°ssia primeiro trabalha palavras simples e familiares, dando √™nfase no trabalho f√īnico e sil√°bico. Por outro lado, com alunos que j√° t√™m mais intimidade com o texto, a professora prefere come√ßar pelo m√©todo global. "Esse tipo de aluno vence rapidamente o in√≠cio e logo est√° lendo, questionando o jeito de escrever, produzindo texto", afirma.

Rita de C√°ssia cursou Magist√©rio em 1973, quando aprendeu a trabalhar com os m√©todos f√īnico e sil√°bico. Come√ßou a dar aulas dez anos depois e passou a usar mais o m√©todo global, que estava em voga na √©poca e pelo qual ela mesma fora alfabetizada. Nos anos 1990, quando fez o curso de Letras, a "tend√™ncia" era de base Construtivista. Nesses vinte e dois anos de profiss√£o, Rita diz ter aprendido que "n√£o h√° um m√©todo fant√°stico" e que o professor tem que conhecer v√°rias metodologias e us√°-las nos momentos mais apropriados. Ela acredita que os educadores n√£o devem ficar presos √†s novidades que surgem a cada novo governo, jogando tudo o que era feito por terra. "O professor tem que estar seguro em rela√ß√£o ao m√©todo que usa e pensar no que √© v√°lido para os seus alunos, no que ele deve fazer para chegar √†s crian√ßas, para cativ√°-las. Isso √© tudo".

Continue lendo

Hist√≥ria dos m√©todos de alfabetiza√ß√£o (Letra A n¬ļ 3) - parte 1

Hist√≥ria dos m√©todos de alfabetiza√ß√£o (Letra A n¬ļ 3) - parte 2

Construtivismo n√£o √© m√©todo (Letra A n¬ļ 3)

Linha do tempo: Das cartas aos livros de alfabetiza√ß√£o (Letra A n¬ļ 3)