Todos para a biblioteca!

Nas cinco bibliotecas coordenadas por Geisy Moraes, quem manda são as preferências de estudantes, pais e demais frequentadores


     

Letra A ‚ÄĘ Quarta-feira, 09 de Dezembro de 2015, 20:05:00

Por Eliza Dinah

Na Escola Municipal Professor Milton Lage, em Belo Horizonte (MG), √© comum a distribui√ß√£o de senhas para os alunos acessarem a biblioteca. O que, por um lado, sinaliza a necessidade de um espa√ßo maior, por outro, mostra o sucesso do trabalho da pedagoga e bibliotec√°ria Geisy Moraes. ‚ÄúTemos uns banquinhos pl√°sticos usados para tentar compensar a falta de espa√ßo. Eu queria ter uma biblioteca enorme para receber todo mundo, mas a gente n√£o consegue colocar mais de 40 alunos bem acomodados aqui‚ÄĚ, conta Geisy. Mesmo no recreio, normalmente hora dedicada ao lanche e a brincadeiras, as crian√ßas t√™m optado por passar a maior parte do tempo entre os livros. Uma atitude determinante para esse sucesso √© a valoriza√ß√£o das prefer√™ncias dos frequentadores.

Al√©m de coordenar a biblioteca da E.M. Prof. Milton Lage, Geisy Moraes tamb√©m √© respons√°vel pelas bibliotecas de outras quatro escolas na regional. As cinco contam com assinaturas de revistinhas de super-her√≥is ‚Äď aquisi√ß√£o que, segundo Geisy, demandou dela muita argumenta√ß√£o com as equipes de coordena√ß√£o das escolas. Na Professor Milton Lage, por ser uma biblioteca polo aberta √† comunidade, tamb√©m √© poss√≠vel encontrar n√ļmeros atuais de revistas sobre celebridades, para atrair os pais. ‚ÄúAtendemos a comunidade, ent√£o temos uma prateleira chamativa. Pescamos esses usu√°rios √© pelo prazer‚ÄĚ, afirma Geisy. Quando os alunos come√ßaram a lhe perguntar sobre coisas interessantes que poderiam postar no Facebook, Geisy resolveu usar a rede social para promover a leitura: ‚ÄúA gente ofereceu papeizinhos para eles escreverem frases dos livros e tirarem fotos. E isso √© viral. √Č isso mesmo o que eles querem!‚ÄĚ

Sensibilidade e integração

Ap√≥s formar-se em Pedagogia, em 1987, Geisy Moraes come√ßou a trabalhar em um centro de informa√ß√£o t√©cnica, o que a motivou a dar in√≠cio, pouco tempo depois, aos estudos no curso de Biblioteconomia. Geisy avalia que a converg√™ncia entre seus dois campos de forma√ß√£o nas √ļltimas d√©cadas foi um ganho importante, por notar que as bibliotecas t√™m hoje ‚Äúprofissionais sens√≠veis com a √°rea da educa√ß√£o‚ÄĚ.

Ela lembra que, na √©poca de sua juventude, ter tantos livros de f√°cil acesso era um luxo, n√£o sendo f√°cil encontrar bibliotecas com acervos de ‚Äúlivros do momento e obras t√£o bonitas‚ÄĚ. De l√° para c√°, o papel das bibliotecas se modificou, e para melhor, segundo a educadora, que lembra ainda que consolidar o gosto pela leitura √© um processo que ainda est√° come√ßando no pa√≠s, mas come√ßando bem. ‚ÄúHouve uma modifica√ß√£o nos acervos, que s√£o muito bons, e os profissionais est√£o aprendendo a trabalhar, est√£o acreditando. O conceito de biblioteca est√° muito ligado ao conceito que se tem sobre educa√ß√£o‚ÄĚ, afirma.

A partir de uma experi√™ncia da aula de Matem√°tica em uma turma de 1¬ļ ano, a bibliotec√°ria mostra como as atividades de ensino t√™m se integrado √† biblioteca. ‚ÄúOs alunos foram coletando informa√ß√Ķes dos livros: se era romance, aventura, poesia etc., e, no final do ano, a professora apresentou a estat√≠stica com os dados coletados‚ÄĚ, relata. Por fim, o relat√≥rio da turma apontou que o material mais procurado e lido de todo o acervo era, para a surpresa de todos, a poesia. ‚ÄúE ela, que ficava no fundo das prateleiras pela ordem num√©rica, acabou ganhando destaque, um lugar ‚ÄėVIP‚Äô aqui na biblioteca‚ÄĚ, conta Geisy, com entusiasmo.

Figurinhas liter√°rias

Se as crian√ßas adoram completar os √°lbuns da Copa do Mundo e do Campeonato Brasileiro, por que n√£o aproveitar essa pr√°tica para estimular a leitura? Foi assim que Geisy Moraes decidiu criar, em uma das bibliotecas que coordena, o √Ālbum Liter√°rio. O projeto disponibiliza para cada estudante um √°lbum a ser preenchido com figurinhas referentes aos livros distribu√≠dos pela Prefeitura de Belo Horizonte. A cada obra finalizada, al√©m de pregar a figurinha correspondente, o aluno deve preencher, ao lado, campos que solicitam informa√ß√Ķes espec√≠ficas sobre aquele livro. O professor verifica a escrita e as informa√ß√Ķes dadas pelos estudantes, conferindo a efetividade da leitura.